Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As 48 Leis do Poder

Baseado no livro de Robert Greene

As 48 Leis do Poder

Baseado no livro de Robert Greene

Lei 2: Não Confie Muito nos Amigos, Aprenda a Usar os Inimigos

02.04.20

Tubarão - Não Confie Muito nos Amigos, Aprenda a Usar os Inimigos

Tenha cuidado com os amigos – estes irão traí-lo rapidamente, pois são conduzidos com mais facilidade pelo sentimento da inveja. Os amigos também se tornam mimados e tirânicos. Contudo, contrate um ex-inimigo e este será mais fiel que um amigo, pois tem mais a provar. Efetivamente, devemos ter mais medo dos nossos amigos do que dos nossos inimigos. Se não tem inimigos encontre uma forma de os fazer.

Miguel III do Império Bizantino e o seu amigo Basílio

Miguel III do Império Bizantino, em meados do século IX dC, confiava demasiado no seu amigo Basílio. Conheceram-se alguns anos antes, quando Miguel III estava a visitar os estábulos e um cavalo selvagem se soltou, tendo Basílio salvado a vida de Miguel III. A sua força e coragem impressionaram Miguel III, que imediatamente elevou Basílio da obscuridade de um treinador de cavalos para a posição de chefe de estábulo. Miguel III carregou o seu amigo com presentes e favores até se tornarem inseparáveis. Basílio foi enviado para a melhor escola do império, e o camponês grosseiro tornou-se num cortesão culto e sofisticado. Mais tarde, Basílio tornou-se ganancioso por querer mais riqueza e poder, e acabou por assassinar o seu benfeitor e melhor amigo Miguel III.

Miguel III apostou o seu futuro no sentimento de gratidão que achava que Basílio devia sentir para com ele, mas acabou por criar um monstro. Permitiu que um homem visse o poder de perto - um homem que queria mais, que pedia qualquer coisa e a recebia, que se sentia sobrecarregado com a caridade que recebera e simplesmente fazia o que muitas pessoas fariam em tal situação: esquecem o favores que receberam e imaginam que conquistaram o sucesso pelos seus próprios méritos.

“Destruo os meus inimigos quando os faço meus amigos.” - Abraham Lincoln

A Dinastia Song governou a China por 300 anos

Por vários séculos após a queda da Dinastia Han (de 206 a.C. a 222 d.C.), a história chinesa seguiu o mesmo padrão de golpes violentos e sangrentos, um após o outro. Os homens do exército planeavam matar um imperador fraco, para logo depois o substituírem no trono do dragão por um general forte. O general começaria uma nova dinastia e se coroaria imperador. Para garantir a sua própria sobrevivência, o novo imperador mataria os seus companheiros generais. Alguns anos depois, o padrão era retomado - novos generais se levantariam e assassinariam o imperador ou os seus filhos. Ser imperador da China significava ficar sozinho, cercado por um bando de inimigos - era a posição menos poderosa e menos segura do reino.

Em 959 d.C., o general Zhao Kuangyin tornou-se o Imperador Song. Sabendo das ameaças, Song convenceu os seus generais a retirarem-se para uma vida de nobreza e desistir dos seus sonhos em conquistar o trono um dia. Poupou aqueles que conspiraram contra ele e foi capaz de conquistar os inimigos com a sua generosidade. Finalmente, Song conseguiu quebrar o padrão de golpes, violência e guerra civil - a Dinastia Song governou a China por mais de trezentos anos.

Lições para trabalhar com amigos e inimigos

  • Os amigos não vão discordar abertamente de si para evitar discussões.
  • Os inimigos não esperam nada, pelo que são surpreendidos quando é generoso.
  • Um inimigo poupado da guilhotina ficará mais grato a si do que um amigo.
  • Ao decidir contratar um amigo, descobrirá as qualidades que ela manteve ocultas; fique atento a qualquer sinal de distúrbio emocional, como inveja ou ingratidão.
  • Os conhecimentos e competências são mais importantes que os sentimentos amigáveis.
  • A contratação de amigos limitará o seu poder.
  • Todas as situações de trabalho exigem um tipo de distanciamento entre as pessoas.
  • Você destrói um inimigo quando faz dele um amigo.
  • Um inimigo atrás de si mantém-no alerta e concentrado.
Exceções à lei

Embora seja importante concentrar-se em converter os seus inimigos ao seu serviço, há algumas tarefas para as quais um amigo pode ser mais útil.

Por exemplo, quando precisa de alguém para fazer um trabalho sujo, os seus amigos geralmente estão dispostos a correr riscos por si. Além disso, se os seus planos não surtirem o efeito desejado por algum motivo, um amigo é um bode expiatório muito conveniente. Obviamente, como acabará por perder um amigo, escolha alguém próximo a si, mas não muito.