Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As 48 Leis do Poder

Baseado no livro de Robert Greene

As 48 Leis do Poder

Baseado no livro de Robert Greene

Lei 13: Ao Pedir Ajuda, Apele ao Egoísmo das Pessoas, Jamais Para a Sua Misericórdia ou Gratidão

22.03.20

Homem com megafone - Ao Pedir Ajuda, Apele ao Egoísmo das Pessoas, Jamais Para a Sua Misericórdia ou Gratidão

Se precisar de pedir ajuda a um aliado, não se preocupe em recordar-lhe a sua assistência e boas ações no passado, pois encontrará uma forma de o ignorar. Em vez disso, revele algo na sua solicitação, ou na sua aliança, que o vá beneficiar, e exagere na ênfase. A reação será entusiasta ao aperceber-se que poderá lucrar alguma coisa.

O interesse próprio é o que move as pessoas

A arte de solicitar ajuda aos outros depende da sua capacidade de entender com quem está a lidar e não confundir as suas próprias necessidades com as os outros. Saiba que mesmo a pessoa mais poderosa está trancada nas suas próprias necessidades e que, se não apela ao interesse próprio, simplesmente o vê como desesperado ou, na melhor das hipóteses, uma perda de tempo.

O que não pode fazer quando apela aos outros

1. Não traga o passado

Trazer à tona o passado, bom ou ruim, não o ajudará na sua causa. A justiça e a nobreza de sua causa não prevalecerão. Uma pessoa não é obrigada a ser grata, como também a gratidão é um fardo terrível que se descarta de bom grado. É melhor falar pragmaticamente com pessoas pragmáticas. As pessoas raramente agem contra os seus interesses próprios.

Como no caso de Córcira e Coríntia que estavam à beira da guerra. Ambos queriam conquistar os atenienses como aliados porque, com isto, certamente venceriam a guerra. Enviaram representantes para apresentar o seu caso aos atenienses. O representante de Córcira podia oferecer uma uma aliança de interesses mútuos para criar uma grande força que poderia intimidar o estado rival de Esparta. O representante de Coríntia falou apenas sobre o relacionamento anterior com Atenas e listou os muitos serviços que a Coríntia havia realizado para Atenas e a importância de mostrar gratidão aos amigos.

Escusado será dizer que os atenienses ficaram ofendidos pelo embaixador da Coríntia pela sua maneira subtil de pedir que se sentissem culpados pela generosidade do passado e aliaram-se a Córcira.

2. Não fique preso às suas próprias vontades e desejos

Não comece com a suposição de que as pessoas a que está a apelar tenham um interesse altruísta em ajudá-lo. Não fale como se as suas necessidades fossem importantes para os outros - provavelmente não se importarão, principalmente se referir problemas maiores como uma grande causa ou grandes emoções, como amor e gratidão. Realidades simples e cotidianas têm muito mais apelo.

Quando os holandeses começaram a chegar ao Japão em grande número, o imperador japonês Tokugawa Ieyasu ficou aliviado. Ieyasu precisava dos europeus pelo conhecimento de armas e navegação, e aqui encontrava finalmente europeus que não pretendiam espalhar a religião - os holandeses queriam apenas negociar. Ieyasu rapidamente despejou os portugueses que tentavam desesperadamente converter o povo japonês ao catolicismo. A partir de então, lidaria apenas com os holandeses de espírito prático. O Japão e a Holanda eram culturas muito diferentes, mas cada uma compartilhava uma preocupação atemporal e universal: o interesse próprio.

3. Não confunda as suas próprias necessidades com as das outras pessoas

Depois que fazer ver às pessoas de como pode atender às necessidades delas ou promover a sua causa, a resistência aos seus pedidos desaparecerá magicamente. A cada passo do caminho para adquirir poder, deve treinar-se a pensar dentro da mente da outra pessoa, a ver as necessidades e os interesses dela, a se livrar da tela dos seus próprios sentimentos que obscurecem a verdade. Domine esta arte e não haverá limites para o que pode realizar.

Exceções à lei

Acredite ou não, existem pessoas que não são motivadas por interesses próprios cínicos. São pessoas que se aproveitam de oportunidades para mostrar um bom coração. Preferem poder exercer caridade, misericórdia e justiça, que são as formas de se sentir superior a outro: A motivação destas pessoas é mostrar a sua superioridade

Por causa da sua posição superior, se pedir ajuda a essa pessoa, enfatiza o seu poder e posição. O único requisito é que tudo seja feito em público; quanto mais público, melhor. É realmente um prazer dar e ser visto a dar. Estas pessoas querem financiar o seu projeto, de apresentá-lo a pessoas poderosas; este é o vinho que as intoxica.

Deve ter a sabedoria para distinguir as diferenças entre pessoas poderosas e descobrir as suas motivações. Quando exalam ganância, não apele à sua caridade. Quando parecem caridosos e nobres, não apele à sua ganância.